domingo, 21 de agosto de 2016

Uma Lição de Deus Sobre o Significado do Chamado

Jonas 4:4-11

A lição de Deus vai
além de "puxões de
orelha". Muitas vezes
Ele permite a bênção
e depois a tira para
mostrar a nós
mesmos que nossos
interesses estão fora
do verdadeiro foco.
1 – Sendo questionado por Deus sobre suas atitudes (4:4)
    “É razoável esse teu sentimento?”; essa foi a grande pergunta que Deus lhe fez. Em outras palavras, Ele quis dizer: “você acha justo esse seu ressentimento?”, “você tem alguma razão para estar com toda essa ira?”. O que mais impressiona nesse ponto da história não são as sábias perguntas reflexivas de Jeová, mas sua paciência com um homem tão rebelde e teimoso que mesmo depois de quase ter morrido por sua desobediência, ainda se recusava a compreender o valor do perdão. Só mesmo Deus para entender e suportar o ser humano.
    Deus tem te corrigido? Então considere-se mais que feliz, pois somente aquele que Ele tem como filhos são signos de sua correção (Hb 12:6-8). Porém, melhor mesmo é viver em obediência e evitar motivos para correções. Uma coisa que provoca a ira do Criador é a falta de misericórdia de suas criaturas, pois Ele as criou para viver em harmonia na terra (Rm 12:17-20). A falta de paz e perdão entre os homens ferem seu caráter santo e mostram o quanto eles estão longe dEle (Tg 3:13-18). A paciência divina é realmente para nós um motivo de segurança, no entanto, ela tem limite e, não havendo arrependimento, sua justiça é implacável (Na 1:3a).

2 – Ignorando a realidade (4:5)
    Apesar de ouvir a voz do Senhor, continuava o profeta achando que algo aconteceria àquela cidade: saiu dela e fez uma cabana, sentando-se sob ela e se colocando a observar qual seria de fato o destino daquelas pessoas. É como se não acreditasse de forma alguma que Deus fosse mesmo tão bondoso a ponto de não aplicar sua ira contra os pecados outrora praticados por eles. O que queria Jonas? Sua missão já estava cumprida e não havia mais nada o que fazer ali. Mas tão grande era a dureza de seu coração que ele precisava ver de perto como se as palavras que já tinha ouvido não lhe fossem suficientes. Dessa forma o que ele conseguiu foi atrair para si a ira do Senhor.
    Quando não aceitamos aquilo que sabemos que foi Deus quem fez daquela forma, simplesmente estamos dizendo: “Senhor, tu não sabes o que está fazendo e eu não admito isso!”. Como portadores de uma missão tão especial, não podemos pensar que temos o direito de continuar sentados numa sombra aguardando a destruição dos ímpios dizendo que é isso mesmo que eles merecem. O cristão não deve olhar para o passado ou para o presente de seu próximo, ele apenas tem que pregar esperançoso de que o mesmo se arrependa e abandone o pecado (Mt 9:11-13). Muitas vezes queremos pregar e orar pelos “bonzinhos”, mas o que temos feito por aqueles que mais necessitam de ajuda por menos que a mereçam (Lc 6:27-36)?

3 – Se alegrando com o próprio bem-estar (4:6)
    Já que ele queria conforto enquanto aguardava a execução da sentença final contra aqueles pecadores, o Senhor resolveu colaborar com o santo profeta fazendo nascer uma planta - uma espécie de aboboreira -; afinal, seu ungido era digno de usufruir do melhor dessa terra. Nesse momento ele sentiu o refrigério e se alegrou extremante, certamente, imaginando que Deus estava realmente com ele e que seus pensamentos contra os ninivitas estavam certos.
    Sabe aquelas bênçãos que Deus nos permite ter, sejam elas a nível ministerial ou mesmo secular? Elas não significam nada! Pois coisas boas e ruins acontecem aos justos e aos injustos (Mt 5:44,45); portanto, o bem e o mal permitidos por Deus - considerando-se as exceções - não expressam recompensa ou castigo. Ministrações bem-sucedidas podem significar simplesmente a compaixão de Deus sobre os ouvintes e conforto material somente um teste contra o próprio mensageiro mostrando o quanto ele é egoísta. Quantas vezes fizemos algo pela Obra - tanto na Palavra como no louvor, nas contribuições, na execução de serviços gerais ou mesmo na administração - apenas visando nosso próprio bem-estar, sem nos importarmos realmente com o objetivo verdadeiro que é levar vidas ao conhecimento da verdade por meio daquele trabalho? A aboboreira pode até ter sido plantada por Deus, mas a cobrança contra o egoísmo daqueles que permanecem embaixo dela também será feita por Ele (Mt 24:48-51[1]).

4 – Recebendo um golpe em sua alegria egoísta (4:7)
    No dia seguinte, quando tudo parecia bem, a surpresa preparada para Jonas não foi nada agradável: o mesmo Deus que criou a aboboreira também enviou um bicho que a feriu e ela secou. Era a hora da grande lição. Ele precisava entender que ser israelita não significava ser superior aos demais e que todos, mesmo não sendo merecedores, necessitavam de misericórdia.
    Não devemos esperar Deus enviar um bicho para devorar nossa aboboreira; se queremos preservar alguma conquista, uma mudança de atitude, a qual começa por dentro (Rm 12:1,2,11) é necessária e urgente! Há coisas que dependem de nós, mas são consequências tanto das atitudes quanto das intenções em tudo aquilo que fazemos (Rm 14:5,6).

5 – Sendo duramente corrigido por Deus (4:8)
    E lá vem Jonas de novo com seu sentimentalismo: “melhor me é morrer do que viver!”; essa foi sua reação quando acordou de um desmaio causado por um vento quente vindo do leste. Aqui ele passa a agir como um menino manhoso, pois não se conformava em perder a bênção e receber o castigo. Mas a situação era muito séria, porque ele desejou a morte com toda a sua alma, ou seja, de todo o coração. Havia uma guerra dentro de si e seu oponente era o próprio Deus.
    A noite garante a sombra e tudo parece calmo, mas é o dia que vai revelar a necessidade da sombra; será que as mãos do Senhor permanecerão sobre nós ou fomos reprovados no teste (1ª Co 9:26,27; 2ª Co 13:5)? Aparecendo o sol, descobriremos se a aboboreira que Deus plantou ainda está sobre a nossa cabana, e é nesse momento que descobrimos se estamos sendo confortados ou corrigidos por Ele. Muitos são os crentes que não suportam a correção e desistem do cumprimento do chamado; e o pior de tudo isso é quando não percebem que sua reprovação está vindo do Alto e atribuem seus fracassos à igreja, à situação financeira ou à própria família. Essa guerra interna tem feito o coração de muitos se entregar à morte espiritual provocando grandes quedas, pois não há como permanecer de pé quando se combate contra o próprio Deus (At 5:38,39; 1ª Co 10:20-22).

6 – Questionando a Deus por não aceitar a correção (4:9)
    Pela segunda vez o Senhor lhe questiona se é justa a sua ira: a primeira havia sido pelo livramento dos ninivitas e agora era por causa de uma planta. Sua resposta foi se auto justificar confirmando sua razão de desejar a morte. Com essa atitude ele revelou três características negativas: não aceitava correção devido ao orgulho, não conseguia perdoar e era muito apegado a coisas materiais. Esses sentimentos meramente carnais eram o que o levavam a não admitir estar errado e querer que sua razão prevalecesse a todo custo.
    Você aceita correção? Você compreende e aceita o motivo de estar sendo corrigido ou bate o pé querendo ter razão de todo jeito? É normal a correção nos entristecer no momento (Hb 12:11), mas se essa tristeza nos levar a aceitar a morte, ou seja, o fracasso espiritual, isso significa que estamos fora do foco em que deveríamos estar. Antes de justificarmos a nós mesmos, devemos analisar se estamos realmente certos e verificar se não estamos caindo em pelo menos um dos três pontos negativos que costumam predominar nesse tipo de situação: o orgulho que leva à negação do erro, a incapacidade de perdoar e o apego às coisas materiais. De nada adianta insistir com Deus quando sentimentos humanos predominam dentro de nós (Tg 4:1-5).

7 – Sendo alertado pelo Senhor contra o seu egoísmo (4:10)
    Agora Jeová revela à Jonas explicitamente todo o seu egoísmo, apontando para sua falta de amor ao próximo e sua supervalorização a si mesmo. Afinal, o que era aquela aboboreira senão uma simples planta com a qual ele não teve trabalho algum e nem possuía grande importância, pois teve apenas algumas horas de vida? Sua compaixão estava com os valores invertidos.
    Aonde está concentrado o seu sentimento? Existe algo mais importante do que o propósito da missão que foi confiada a ti? Seus valores revelam seu compromisso com a Obra (Mt 6:19,20; Cl 3:1-3). Uma das coisas que mais desagradam a Deus é o nosso exagerado compromisso com nós mesmos, principalmente quando chegamos ao ponto desprezar a dor do próximo (Gn 4:9-12; Rm 12:15,21).

8 – Uma lição divina sobre a necessidade do amor e da misericórdia (4:11)
    Encerrando sua lição ao profeta, Deus se compara a ele mostrando a diferença entre ter compaixão ou amor por coisas banais e por pessoas necessitadas. Aqui Ele deixa clara a questão que, embora fossem pecadores, os ninivitas eram tão ignorantes a nível de não conhecerem os detalhes mais básicos da vida. Dessa forma o Senhor revela seu caráter de extrema bondade agindo compreensivamente, dando-lhes uma nova oportunidade. E essa extrema bondade compreensiva estendia-se à Jonas, o qual Ele poderia ter matado impiedosamente pelo simples fato de ter questionado sua soberana vontade e liberdade de ação.
    Lamentar as decisões divinas significa reprovar sua justiça desmerecendo seu amor pelos perdidos. Muitas vezes, somos tão intolerantes que não queremos saber o que levou alguém a errar e apenas esperamos seu castigo. Porém, felizmente, Senhor não vê como nós (1ª Sm 16:7; Hb 4:13) e não considera a ignorância humana (At 17:30). Se Ele reagisse sem misericórdia conforme o pecado do homem, não haveria que se salvasse sobre a face da terra (Rm 3:10-12). A imagem de muitos cristãos hoje reflete o que aprendemos nos 48 versículos desse livro: falta de misericórdia. Ainda assim, ele é citado pelo próprio Jesus Cristo como um sinal para Israel (Mt 12:39,40). Por isso, nos atentemos a todos os seus pontos, analisando o que devemos ou não devemos pôr em prática através das lições do profeta Jonas (1ª Ts 5:21).



[1]Conservo: Companheiro de outros servos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, seja ele crítico, elogioso, complementar ou simplesmente direcionado à esclarecer alguma dúvida.
Todos serão respondidos desde que estejam de acordo com o regulamento abaixo:
Não serão publicados comentários que contenham palavrões, ofensas, anúncios não autorizados, e/ou usuários anônimos.
Muito obrigado pela sua participação!

Obs.: Apenas respondemos quando percebemos que a pessoa realmente quer uma resposta, pois quando notamos que ela apenas quer arrumar confusão, simplesmente ignoramos.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.