domingo, 28 de setembro de 2014

E Ver Pornografia... Tem Algum Problema?

Além da desvalorização moral e
da indução ao sexo inseguro, os
adeptos da pornografia estão
também a mercê das
consequências do pecado da
infidelidade a Deus, o qual é
puro e repudia qualquer estímulo
à práticas sexuais ilícitas.
    É bom ver algumas coisas interessantes de vez em quando, né? Mas primeiro é melhor saber o que o Papai do Céu pensa disso. E antes que você questione, já vou dizendo que sim: esse é sim mais um estudo bíblico que vai dizer que é pecado se masturbar[1]; mas fique tranquilo, se você é apenas um adolescente ou um jovem solteiro, seria desumano demais da parte de uma pessoa casada te condenar e dizer que você merece queimar no inferno por causa disso... mas também não vou garantir que não queime. Brincadeiras à parte, a intenção não é condenar ou absolver, mas apenas orientar com o objetivo de ajudar rapazes e moças que valorizem sua vida espiritual e que façam questão de honrar seu compromisso com Deus, portando-se de forma pela qual possam sentir-se cada vez mais próximos a Ele. Antes de entrar no assunto, precisamos saber que pornografia[2] se refere não apenas a material visual que exponha imagens de sexo explícito, mas a qualquer meio, incluindo também textos, áudio ou gestos de sensualidade que insinuem a prática de um ato libidinoso[3]. Sendo assim, cuidado com tudo a sua volta (Hb 12:15,16[4] [5] [6])!
    É importante também que os próprios jovens solteiros não se culpem pelo desejo ou pela curiosidade sexual, pois é nessa faixa etária, entre 12 e 13 anos - podendo haver variação para mais ou para menos - , que os seus membros estão em início de desenvolvimento e a dificuldade de controle sobre a excitação[7] é inevitável. Esse processo se chama puberdade[8]; é nesse período em que ocorrem as mais notáveis e significativas transformações no corpo humano. A partir daí, além de mais maturidade[9], a pessoa ganha também a capacidade de gerar filhos. Para os meninos, a mudança mais comum é a primeira ejaculação[10] e, para as meninas, a menstruação[11]; para ambos, a ativação dos hormônios[12] sexuais é de grande impacto, pois altera não apenas o lado físico, mas também o emocional. E, no que se refere à emoção, isso provoca não apenas paixões, mas também desejos, os quais dependem muito de uma mente sadia para que a pessoa consiga se controlar e conciliar a vontade e a curiosidade com a moral e a espiritualidade. Geralmente, é nessa fase que os meninos passam a se preocupar em adquirir uma boa forma física e uma melhor aparência para atrair as garotas e, por sua vez, as meninas passam a se preocupar com o tamanho dos membros sedutores do seu corpo e a se expor sensualmente. Nessa “campanha” de sedução e conquista do sexo oposto, independentemente do resultado obtido, o que ocorre normalmente é a procura da satisfação daqueles “arrepios no corpo”, normalmente, com uma revista na mão durante longos banhos; como também na cama, o que explica o fato de as vezes acordarem molhados; e ainda, quando estão sozinhos em frente à TV ou ao computador. Nessa fase, a sensação é de que todas as palavras do seu dicionário têm apenas quatro letras: S-E-X-O. Resumindo: trata-se de uma granada ambulante: se “soltar o pino” o estrago pode ser grande, muito grande mesmo. Teriam eles culpa por carregar toda essa “pólvora” no corpo? Biblicamente sabemos que o ser humano foi criado com isso, e é por isso que ele procria e dá continuidade à existência da espécie (Gn 1:27,28a; 2:18[13]; 9:1,7[14]); assim, podemos concluir que quanto à tentação a resposta é “não”. Porém, se ele detonar essa “bomba”, ou seja: se entregar à tentação, então a resposta passa a ser “sim” (Gl 5:16[15]; Rm 8:1).
    Atualmente, a mídia transformou a sociedade de um modo geral num imenso mundo de Sodoma[16] e Gomorra[17], aonde ser imoral é sinônimo de esperteza e exercício de direito de liberdade, e ser decente significa ser careta e preconceituoso.  A prova disso está nas letras de determinadas “músicas” de conteúdo totalmente depravado[18] e na maioria dos programas de televisão, revistas e shows públicos, cujos assuntos principais sempre giram em torno da prática sexual fora do casamento e, principalmente, a internet que permite livre acesso - e também interação[19] - a tudo isso sem nenhuma censura. Como um jovem cristão pode manter sua integridade moral e espiritual num mundo em que quase tudo a sua volta estimula a sua mente a pensar e o seu corpo a desejar o sexo? Antes de responder a essa pergunta é necessário responder a algumas outras de alguns que foram vítimas da maligna lavagem cerebral que os leva a confrontar os princípios bíblicos com as seguintes indagações:
    Com a pornografia, estou apenas vendo e não praticando sexo, por que é pecado? Mesmo não sendo criminoso, se você presenciar voluntariamente um crime já é considerado como cúmplice; com isso quero dizer que ninguém vê pornografia sem a vontade de praticar aquilo que ela mostra. Aí o que conta não é a ação, mas sim a intenção. Se a Bíblia nos orienta a dispensarmos nossa atenção à coisas que nos edifiquem e que não desviem nosso foco da espiritualidade (1ª Co 7:34,35), isso significa que ainda que não estejamos fazendo, não há razão para alimentarmos nossa mente e “torturarmos” nosso corpo com algo que não devemos fazer; porque se é inevitável não sentir desejo só por pensar, quanto mais por ver.
    Qual é o problema em ver as partes íntimas do sexo oposto, sendo que, de alguma forma, nenhum membro do corpo é desconhecido, e então não estou vendo nada que eu já não conheça? A menos que você seja estudante ou profissional de alguma ciência relacionada ao corpo humano, não há como justificar a “necessidade” de ver partes íntimas do corpo alheio ou cenas de atos sexuais. Que motivo levaria à curiosidade pela pornografia ou pelo erotismo[20] a não ser a cobiça pela prática sexual? Várias podem ser as desculpas daqueles que não querem se prestar ao sacrifício da resistência à tentação, mas, nenhuma delas escapa da confrontação bíblica, a qual expõe o pecado - ainda que em pensamento - como uma afronta a Deus (Mt 5:28). De que forma pode alguém que usufrui conscientemente de um produto profano justificar-se diante da santidade divina (Rm 9:20)? Somos nós tão fortes que podemos contrariar nossa natureza carnal a ponto de presenciar aquilo que mais nos seduz sem sentir desejo por isso? Embora, de fato, qualquer pessoa, por mais inocente ou ingênua que seja, tenha realmente de alguma maneira já visto e conhecido partes íntimas do corpo do sexo oposto e isso faça parecer que nada há demais em admirar ou observá-las sem uma real necessidade, a grande verdade é que seu acesso à visualização de sexo ou mesmo simplesmente da sensualidade provoca reações na mente e no corpo que o leve a querer satisfazer-se. O erotismo é algo tão sério que desde o início Deus já condenava a prática ou a admiração da nudez, considerando isso como algo vergonhoso (Gn 3:7,11,21). Em vez de arrumar desculpas, nossa obrigação como servos do Senhor é procurar meios de manter nossa fidelidade à Ele (Sl 86:11; 139:23,24).
    E quando a pornografia ou a sensualidade aparece na minha frente repentinamente, mesmo assim tenho culpa? O “culto” ao sexo tem se tornado cada vez mais comum na sociedade contemporânea tornando quase impossível para as pessoas decentes o desvio de seu olhar em direção às imagens de seus “deuses” depravados. Afinal, vivemos num mundo em que a exposição da sensualidade está cada vez mais escancarada e é difícil sair na rua, ligar a TV, acessar a internet, abrir uma revista ou até estar na própria igreja sem ver ou ouvir algo que lembre ou incentive a prática sexual. A sutileza maligna tem enganado a muitos (Pr 17:15; Is 5:20-22) tentando até mesmo constranger pessoas moralmente sérias a se envergonharem de seu comportamento como se elas é que estivessem erradas por não exporem seu corpo, nem falarem palavrão, não fazerem piadas maliciosas e nem praticarem ou defenderem a fornicação ou o adultério. Porém, a questão é a seguinte: realmente não somos culpados por presenciar algo que surge repentinamente a nossa frente, mas, a partir do momento em que persistimos em olhar ou olhamos novamente, ou, ainda pior, deixamos que a imagem domine nossa mente estimulando nossos desejos, acabamos por nos tornar culpados porque aí já se trata de uma ação consciente e não involuntária (Tg 4:17; 1:14,15). Não temos culpa se, de repente, um amigo abre uma revista pornô, se clicamos em um link e aparece uma mulher nua ou se passa uma bela garota quase sem roupa na nossa frente, mas temos culpa se “sem querer” continuarmos olhando a revista do amigo, se não fecharmos o site indecente que abrimos sem perceber e também se quase quebrarmos o pescoço olhando para traz depois que a garotinha sedutora já passou. Não use a casualidade como desculpa para o pecado; evite-a! Pois Deus conhece cada um de seus passos e sabe a intenção do seu coração em cada um de seus olhares (Sl 139:1-4).
    E se eu me masturbar imaginando aquela pessoa como minha futura esposa(o), ainda assim é errado? E lá vem ele de novo: o danado do “diabinho esperto” soprando no seu ouvido uma boa solução para você fazer o que sabe que é errado sem a sensação de culpa. Tudo bem, até concordo que a intenção é boa, pois aliviaria a ansiedade e, em sua mente, você estaria apenas “imaginando de uma forma mais intensa” como seriam seus momentos íntimos depois de casado com o grande amor de sua vida. Porém, unir o útil ao agradável nem sempre é uma atitude correta, principalmente para aqueles que querem manter-se firmes em sua comunhão com Deus, e isso por três razões bem básicas: primeira: o solteiro deve aproveitar sua liberdade para dar uma atenção especial às coisas espirituais (1ª Co 7:32); segundo: a mente humana é muito vulnerável (Sl 94:11; Rm 7:18-20). Quem pode garantir que seus pensamentos estarão realmente voltados apenas à pureza do sexo pós-matrimonial? E terceiro: o que é pecado sempre vai ser pecado independentemente das circunstâncias em que seja praticado (At 17:30). Nesse caso, como em todos os outros, o que resta é pensar no seu futuro cônjuge como alguém por quem você precisa orar desde já para ter um casamento abençoado, e assim, em vez de ocupar a mente apenas imaginando suas habilidades na cama, gastar o tempo planejando seu futuro com essa pessoa.
    Como vimos, se queremos ser autênticos cristãos, precisamos manter distância de tudo o que possa nos distanciar de Deus, e, inevitavelmente, a pornografia também faz parte dessa extensa lista. De fato, materiais pornográficos estão espalhados por toda parte e são apresentados de todas as formas, inclusive de maneira bem sutil, fazendo com que pareça algo normal sendo parte da cultura ou simples objetos do cotidiano. É assim que o inimigo trabalha para confundir, atrair e aprisionar suas vítimas. No entanto, sabemos também que nenhum poder ele tem se não lhe dermos autoridade para agir em nossa vida. E de que maneira podemos evitar isso? Basta não nos expormos a situações que nos levem a usufruir de todo esse material profano a que temos acesso. Isso inclui o controle ou, em casos extremos, até a eliminação de amizades ou objetos inconvenientes, e autocontrole sobre o que vemos e ouvimos. Indiscutivelmente, é bem verdade que servimos a um Deus bondoso e perdoador (1ª Jo 2:1), mas isso não significa que tenhamos o direito de pecar voluntariamente (Jo 8:10,11). Então, mesmo sabendo da compreensão e da misericórdia divina, o melhor mesmo é não se arriscar fazendo uso da Graça como um escudo para o pecado, e encarar a resistência a ele como um sacrifício em oferta ao Senhor como reconhecimento de seu merecimento da nossa fidelidade. Não se escandalize com o que eu vou dizer, mas você já entregou seus membros sexuais diante do altar hoje (Cl 3:5-7)? Esse é um sacrifício diário que você faz cada vez que diz “não” às seduções ilícitas que surgem diante dos seus olhos que tentam dominar seu pensamento (Sl 101:3; Mt 5:29,30).




[1]Masturbar: Praticar o ato da masturbação. Provocar com a mão ou com objetos adequados o gozo venéreo em si mesmo ou em outra pessoa. Estimular o desejo sexual no corpo podendo chegar ao orgasmo ou não.
[2]Pornografia: Arte ou literatura obscena. Tratado acerca da prostituição. Coleção de pinturas ou gravuras obscenas. Caráter obsceno de uma publicação. Devassidão.
[3]Libidinoso: Voluptuoso, lascivo. Que sente vivos desejos sensuais; lúbrico, concupiscente.
[4]Profano: Que não é sagrado ou devotado a fins sagrados. Não consagrado. Estranho à religião; que não trata de religião: História profana; literatura profana. Estranho ou contrário à religião cristã. Contrário ao respeito devido à religião.
[5]Esaú: Significa “Peludo”. Irmão gêmeo de Jacó (Gn 25:25). Vendeu o direito de primogenitura ao seu irmão por um cozido de lentilhas (Gn 25:30-34). Perseguiu Jacó para matá-lo, porém mais tarde fez as pazes com ele (Gn 32:3-33:17). Foi patriarca dos edomitas.
[6]Primogenitura: Direito pelo qual o primogênito recebia porção dobrada da herança (Dt 21:15-17; Gn 25:31-34). Primogenitura, segundo a Bíblia, é o fato de que  a primeira cria de um animal, como os primeiros frutos das árvores deviam ser oferecidos ao Senhor no santuário, em agradecimento pelo dom da vida. A mesma lei se aplicava ao primeiro filho do casal: ele era considerado propriedade do Senhor (Êx 13,2; 22,29). Mas como sacrifícios humanos eram proibidos, os pais, depois de oferecer o menino no templo, o resgatavam mediante uma oferta material. Esse costume devia lembrar aos israelitas a noite do êxodo, quando Deus fez morrer os primogênitos dos egípcios, ao passo que preservou os filhos dos israelitas (Êx 12,29). Ao filho primogênito cabiam os direitos de primogenitura, como dupla herança (Dt 21,17), supremacia entre os irmãos e chefia da família (Gn 27,29.40; 49,8). Jesus é o "primogênito de toda criatura" (Cl 1,15; Hb 1,6) em razão da supremacia que o Pai lhe concedeu entre os homens (Rm 8,29).
[7]Excitação: Ato de excitar (despertar, estimular). Termo geralmente usando em referência ao estímulo sexual.
[8]Puberdade: Idade em que as pessoas adquirem aptidão para procriar. É também a fase em que mais se despertam os desejos e as curiosidades sexuais.
[9]Maturidade: Madureza (fruto maduro). Idade madura; experiência, seriedade, responsabilidade.
[10]Ejaculação: Ato de ejacular; jato. Expulsão repentina e abundante de líquido. Abundância de palavras. Termo popularmente usado para se referir ao orgasmo masculino.
[11]Menstruação: Ato ou efeito de menstruar; mênstruo. Nome dado ao período de duração do fluxo menstrual. Trata-se da descamação das paredes internas do útero quando não há fecundação. Essa descamação faz parte do ciclo reprodutivo da mulher e acontece todo mês. O corpo feminino se prepara para a gravidez, e quando esta não ocorre, o endométrio (membrana interna do útero) se desprende. É caracterizada pela perda de sangue; devido a estímulos hormonais, a superfície do endométrio se rompe e é excretada pela vagina, sob a aparência de um fluido de sangue. Em geral, a primeira menstruação - chamada de menarca - ocorre aos dozes anos.
[12]Hormônio: Cada uma das várias substâncias segregadas por glândulas endócrinas (tireoide, ovários, testículos, hipófise, suprarrenais etc.) que, passando para os vasos sanguíneos, têm efeito específico sobre as atividades de outros órgãos. Essa palavra provem do grego ormao que significa evocar ou excitar.
[13]Adjutora: Ajudadora.
[14]Noé: Significa "Descanso". Filho de Lameque da descendência de Sete (Gn 5:28-32). Noé era um homem justo. Quando Deus decidiu destruir o mundo através de um dilúvio, ele escolheu Noé e sua família para escaparem da destruição. Durante o dilúvio, Noé e sua esposa, seus três filhos e suas esposas e muitos animais permaneceram dentro de uma arca que havia sido construída por Noé. Depois que as águas secaram, Noé e sua família saíram da arca e receberam de Deus a ordem e a bênção para povoarem de novo a terra. Noé viveu 950 anos (Gn caps. 6-9).
[15]Concupiscência: Forte e continuado desejo de fazer ou de ter o que Deus não quer que façamos ou tenhamos (Rm 7:8). Desejos carnais.
[16]Sodoma: Significa "Lugar de Cal". Uma das cinco cidades do vale de Sidim, destruída por causa de sua pecaminosidade (Gn 13:10; Gn cap. 14; 18:16-19; cap. 29; Jd 1:7).
[17]Gomorra: Significa "Submersão". Cidade que ficava na planície ao sul do mar Morto. Foi destruída por causa da maldade dos seus moradores (Gn 19:24-28).
[18]Depravado: Corrompido, corrupto, pervertido. Malvado, perverso. Estragado.
[19]Interação: Ato de interagir. Ação recíproca de dois ou mais corpos uns nos outros. Atualização da influência recíproca de organismos inter-relacionados. Ação recíproca entre o usuário e um equipamento. Ações e relações entre os membros de um grupo ou entre grupos de uma sociedade.
[20]Erotismo: Caráter ou tendência eróticos. Paixão sexual anormalmente insistente. Estímulo sexual sem apresentar o sexo em forma explícita, o que o diferencia de pornografia. Palavra originada do termo grego "erotikós", derivada de "Eros", o deus do amor na mitologia grega, sendo o mesmo "cupido" na mitologia romana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, seja ele crítico, elogioso, complementar ou simplesmente direcionado à esclarecer alguma dúvida.
Todos serão respondidos desde que estejam de acordo com o regulamento abaixo:
Não serão publicados comentários que contenham palavrões, ofensas, anúncios não autorizados, e/ou usuários anônimos.
Muito obrigado pela sua participação!

Obs.: Apenas respondemos quando percebemos que a pessoa realmente quer uma resposta, pois quando notamos que ela apenas quer arrumar confusão, simplesmente ignoramos.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.