quarta-feira, 8 de abril de 2015

Os Fatos Mais Relevantes em Torno do Nascimento de Jesus

Resumo baseado na revista Lições Bíblicas Adultos da CPAD - 2º Trimestre de 2015 (Jesus, o Homem Perfeito - O Evangelho de Lucas, o médico amado) | Lição 2 | Jonas M. Olímpio

A narração do nascimento de
Jesus no Evangelho escrito por
Lucas, além de bela, é rica em
detalhes. Essa história nos ajuda
a entender com clareza as
profecias bíblicas anteriores e
posteriores à transição entre a
Lei e a Graça.
Lucas 2:1-7 - E aconteceu naqueles dias que saiu um decreto da parte de César Augusto[1], para que todo o mundo se alistasse 2(Este primeiro alistamento foi feito sendo Quirino presidente da Síria). 3E todos iam alistar-se, cada um à sua própria cidade. 4E subiu também José[2] da Galiléia, da cidade de Nazaré, à Judéia, à cidade de Davi, chamada Belém (porque era da casa e família de Davi), 5A fim de alistar-se com Maria[3], sua esposa, que estava grávida. 6E aconteceu que, estando eles ali, se cumpriram os dias em que ela havia de dar à luz. 7E deu à luz a seu filho primogênito, e envolveu-o em panos, e deitou-o numa manjedoura[4], porque não havia lugar para eles na estalagem[5].
    O nascimento de Jesus[6] marca a quebra do “silêncio” de 400 anos de Deus para com Israel. Essa fase, conhecida como “período intertestamentário[7]”, vai de Malaquias[8] até João Batista[9], o último profeta da Antiga Aliança, considerando que a época da Graça foi iniciada a partir da crucificação. Conforme podemos ver nos primeiros vinte versículos do segundo capítulo do livro de Lucas, o nascimento de Jesus foi bastante conturbado: Depois de José ter recebido por meio de um anjo a notícia de que Maria estava grávida de um filho gerado pelo Espírito Santo, justamente nos últimos dias da gestação, o imperador romano César Augusto ordenou que fosse feito um censo. Para cumprir essa convocação, José pegou sua esposa e ambos saíram de Nazaré para Belém, sua cidade de origem, numa viajem de 112 quilômetros (esse foi um plano de Deus para se cumprir o que Ele já tinha falado através do profeta Miquéias: “E tu, Belém Efrata[10], posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel” (Mq 5:2a); nesse lugar tinha vivido o Rei Davi). Estando eles ali, veio o momento de Maria dar à luz; era uma noite fria de inverno em que a temperatura poderia chegar a 4 graus. Sendo a hora já avançada, não conseguindo eles lugar na estalagem, foram abrigados num estábulo e, depois de nascido, foi colocado em uma manjedoura.  Na mesma noite, pastores que cuidavam de um rebanho nas proximidades foram visitados por um anjo, o qual lhes comunicou o nascimento do Messias[11] indicando-lhes o local aonde Ele estava; e os mesmos, visitando-o, se alegraram glorificando a Deus e se encarregaram de espalhar aquela boa notícia. Um fato de extrema importância não relatado por Lucas, sendo mencionado apenas por Mateus, foi a visita dos magos[12] do oriente. No Evangelho não está relatado quem e nem quantos eram esses magos, ele apenas afirma que os mesmos tinham a intenção de adorar e presenteá-lo. Para cumprir esse objetivo, seguiram uma estrela que os guiou até Belém; ali chegando, procuraram se informar sobre o local aonde estaria o menino Jesus e, chegando isso ao conhecimento de Herodes, uma perturbação apoderou-se dele, pois, obviamente, por motivos políticos, não lhe era nada confortável saber que entre os judeus havia nascido aquEle a quem era considerado como um rei e, futuramente, poderia ser aclamado pelo povo para assumir o trono em seu lugar; astutamente, deixou que os magos prosseguissem na procura, orientando-os que quando o achassem, lhe comunicassem para também poder adorá-lo, mas na verdade pretendia mata-lo. Então partiram seguindo a mesma estrela e cumpriram sua missão. Porém, na volta, já tendo Deus os avisado em sonho sobre o perigo, voltaram ao oriente por outro caminho. Da mesma forma, um anjo avisou a José, orientando-o a fugir com sua família para o Egito, lugar em que permaneceram até a morte de Herodes por um período que os estudiosos acreditam ter sido por volta de um ano e meio. Nesse meio tempo, dezenas de meninos com idade inferior a dois anos foram mortos. O local do seu nascimento é um dos sinais de que Ele veio para salvar e reinar entre os humildes (Lc 2:7).
    Ao iniciar a leitura do livro de Lucas podemos notar seu conteúdo também poético. Em seu primeiro capítulo (46-55; 67-79), há duas poesias consideradas como cânticos: a primeira é de Maria quando foi visitar Isabel[13] em que ela expressou sua alegria por carregar em seu ventre o Salvador da humanidade. E a segunda é de Zacarias louvando a Deus por ver cumprida a promessa do nascimento de seu filho João Batista e por saber que esse seria o profeta que prepararia o caminho para o tão esperado Messias; esse fato se deu no momento em que ele recuperou sua voz, a qual tinha perdido por ter duvidado do anjo que lhe disse que ele e sua esposa teriam um filho; sua incredulidade e questionamento foram devido a sua avançada idade e a esterilidade de sua esposa. Interessante é o fato de ele ter duvidado mesmo depois de ter orado para ter um filho. Teologicamente, entre os cristãos, essas belíssimas palavras são identificadas como o Magnificat de Maria e o Benedictus de Zacarias. Ambas as descrições em forma de poesia, podendo ser conferidas tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, são de conteúdo profético (Lc 1:54,55; 68-70,76).
    Os escritos lucanos revelam o quanto ele se importava e se preocupava em dar destaque ao Espírito Santo: no Evangelho de Lucas Ele é mencionado 17 vezes, e em Atos dos Apóstolos, 54. Ambos os livros chamam muito a atenção por levarem seus leitores a conhecerem o poder de Deus concedido aos seus servos e a desejarem ser participantes de uma tão grandiosa graça. No caso do Evangelho de Lucas, em seu primeiro capítulo, Ele é citado nos episódios da visita de Maria a Isabel e do nascimento de João Batista, em que Ele enche Isabel e Zacarias em seus momentos de grande alegria; no segundo capítulo, Ele é mencionado como estando sobre Simeão cumprindo a promessa de que o mesmo não morreria antes de ver o Salvador; no terceiro capítulo, Ele tem uma participação especial no batismo de Jesus. E nos demais, sua presença é constante no ministério terreno de Cristo[14] até o seu final fazendo parte de sua promessa de revestimento de poder à sua Igreja (Lc 24:49).
    Antes do nascimento de Jesus - aproximadamente seis meses -, a história foi marcada pelo nascimento de João Batista. Seus pais foram Zacarias e Isabel; Zacarias, um sacerdote, foi sobre sua vinda por um anjo durante uma queima de incenso[15] no templo. A missão de João era totalmente diferente e mais nobre do que as dos outros profetas, pois ele estava incumbido de preparar o caminho para a chegada e a atuação do Messias. Isso consistia em pregar o Evangelho e anunciar que o tão esperado Salvador já estava por vir. Pela tradição da época, quando um rei se preparava para viajar, à sua frente ia um mensageiro anunciando a sua vinda. Como pregador, suas características eram totalmente contrárias aos pregadores convencionais, pois ele pregava com bastante autoridade e, ao mesmo tempo, vivia em condições de extrema simplicidade, mantendo também um comportamento de grande humildade em relação ao Mestre a quem ele anunciava a chegada (Lc 3:16).
    José, o esposo de Maria, também recebeu a notícia do nascimento de Jesus por meio de um anjo. Eles foram, sem dúvida nenhuma, detentores de uma grandiosíssima dádiva divina; porém, tal privilégio não os torna divinos. Principalmente no que se refere a ela, a mariolatria[16] que presenciamos nos dias atuais é biblicamente abominável diante de Deus. O fato de Jesus ter sido gerado nela pelo Espírito Santo, sendo ela ainda virgem não a torna digna de adoração. É óbvio que temos o dever de respeitá-la, afinal, ela foi escolhida para levar Jesus à humanidade por sua humildade e obediência às leis sagradas. No entanto, devemos entender que levar Jesus à humanidade é uma missão para todos nós, e isso não nos torna merecedores de adoração. Quanto à falsa teoria de sua eterna virgindade, os livros de Mateus e Marcos relatam que ela teve mais filhos; além do mais, o livro de Lucas se refere a Jesus como o primogênito e narra também uma afirmação dEle próprio, quando uma pessoa a exaltou, dizendo que mais bem-aventurados são os que ouvem e obedecem a Palavra de Deus (Lc 2:7; 11:27,28).
    O Evangelho escrito por Lucas dá um grande destaque à proximidade de Jesus com as classes socialmente menos favorecidas sempre expressando o seu grande amor por eles. Conforme já foi predito pelo profeta Isaías, o Espírito de Deus estaria sobre Ele para, entre muitas outras coisas, evangelizar os pobres (Is 61:1). Em seu ministério terreno, o nosso Senhor classificou os pobres como bem-aventurados (Lc 6:20), e ainda destacou sua maior acessibilidade à salvação (Lc 18:25). Desde sua chegada é bastante visível o privilégio que foi dado à essa classe tão desprezada pela elite da sociedade da época: seu nascimento foi dentro de uma estalagem, o que é um lugar extremamente humilde; esse acontecimento foi revelado à simples pastores no campo e não aos nobres da região; e não há nenhum relato bíblico de que Ele tenha usufruído de uma vida de luxo e conforto, muito pelo contrário, sendo um filho exemplar, aprendeu a profissão de seu pai e trabalhou juntamente com ele - em Marcos 6:3 Ele é chamado de “o carpinteiro” - e, usando uma linguagem figurada, Ele mostrou que sua prioridade era ministerial e não satisfação pessoal (Lc 9:58).
    A realeza de Jesus é inquestionável, e a mesma é repetidamente relatada no livro de Lucas. Conforme mostra a genealogia, Ele é descendente de Davi (Lc 3:23-38). E, em cumprimento à profecia registrada em Miquéias 5:2, Ele nasceu na cidade de Davi (Lc 2:11). Sua identidade real é confirmada nos escritos de Lucas e dos autores dos outros três Evangelhos, e isso ocorre não somente em relação ao seu nascimento, mas ao longo de sua vida; podemos constatar isso em algumas passagens como por exemplo, aquele célebre momento em que Ele entrou em Jerusalém montado num jumentinho e o povo o exaltou como rei (Lc 19:38). É importante lembrar também que seu divino título real lhe custou falsas acusações e também sua prisão, humilhação e morte na cruz (Lc 23:2,3,37,38); porém, tudo isso já fazia parte do seu plano para a nossa salvação (Lc 24:7).
    Sendo o glorioso Rei dos reis, Jesus poderia ter escolhido a realeza dos grandes reinos da terra para recebe-lo e fazer parte da sua vida e do seu ministério terreno. Ele poderia, dessa maneira, ter subido aos grandes palcos da época e ser aplaudido pelos nobres usufruindo uma vida de luxo e conforto; mas, Ele escolheu a cruz. E, para chegar até ela, a melhor forma seria contrariar a elite dominante da sociedade caminhando junto a pessoas simples e humildes que não tinham nada a oferecer a não ser segui-lo e apoiá-lo em agradecimento ao que Ele fazia por elas. Uma multidão de súditos em torno de um só homem causou preocupação nos poderosos que sentiram isso como uma ameaça ao seu governo, por isso resolveram pará-lo forjando acusações para condená-lo à pena de morte. Ele sabia que isso aconteceria, e essa foi uma das razões pelas quais Ele escolheu estar ao lado dos pobres. E essa decisão já pode ser percebida desde o seu nascimento, o qual foi revelado à pessoas de grande simplicidade e humildade como Zacarias, Isabel, Simeão e Ana[17] e os pastores do campo entre outros, e os seus pais José e Maria. É importante não esquecer que tais pessoas não foram escolhidas simplesmente por serem pobres, mas por serem tementes à Lei de Deus (Lc 1:6; 2:25,26,36-38).
    Como bem sabemos, Jesus não aboliu, muito pelo contrário, Ele cumpriu a Lei. Esse é um dos princípios para entendermos que o cristianismo não é uma seita constituída por pessoas que abandonaram o judaísmo, e sim uma reforma que surgiu com o objetivo de quebrar o antigo conceito da salvação pelo ritualismo, tornando uma fé superficial em uma fé prática dando ao homem acesso direto a Deus por meio do Espírito Santo. A Graça não excluiu o dever de cultuar, mas transformou o culto num sacrifício pessoal em que a transformação na vida está acima de qualquer sacrifício ritualístico. Isso não anula as obrigações morais e espirituais já instituídas nos Mandamentos e em toda a Lei. Desde o seu nascimento até a sua morte, Jesus sempre deixou claro que seu objetivo era - e é - apenas “humanizar” as regras colocando o amor como o centro de tudo (Lc 10:27,28).
    O nascimento de Jesus é um grande marco na história de toda a humanidade. O doutor Lucas deu a Ele seu merecido destaque, certamente, por saber das grandes lições de humildade e amor contidas nesse maravilhoso evento, e também por seu inestimável valor histórico. Esse grandioso fato revela o cumprimento de muitas profecias dos antigos profetas e marca o início de uma nova era trazendo também mensagens proféticas que se cumpririam desde sua crucificação até o tempo dos apóstolos, estendendo-se ainda aos dias atuais, e isso inclui tanto a promessa da descida do Espírito Santo quanto as suas previsões escatológicas, e se completará com sua vinda levando seus servos fiéis à morada celestial. E, por falar no nascimento de Cristo, Ele já nasceu no seu coração (Lc 2:29,30)?


[1]César Augusto: Fundador do Império Romano, sendo seu primeiro imperador (de 27aC. até sua morte em 14 dC.). Seu nome completo era Caio Júlio César Otaviano Augusto. Nasceu no dia 23 de setembro do ano 63aC., em Roma; e morreu, provavelmente por causas naturais, no dia 19 de agosto do ano 14dC., em Nuvlana, na Itália. Seu reinado foi considerado pacífico. Um dos marcos do seu governo foi o ordenação de um censo cujo objetivo era estabelecer taxas de impostos sobre os povos colonizados, o que incluía os judeus.
[2]José: Marido de Maria, mãe de Jesus, e descendente de Davi (Mt 1:16-2:23). Era carpinteiro (Mt 13:55). Foi um homem temente a Deus e, quando avisado por uma anjo que sua noiva teria um filho gerado pelo Espírito Santo foi obediente e a recebeu como esposa (Mt 1:18-25).
[3]Maria: Mãe de Jesus e esposa de José (Mt 1:18-25), da linhagem de Davi (Lc 1:27; Rm 1:3). Ela é "bendita entre as mulheres" (Lc 1:28,42,48). Após o anúncio do anjo (Lc 1:26-38), Maria engravidou pelo poder do Espírito Santo (Mt 1:18) e deu à luz a Jesus, em Belém (Lc 2:4-7). Ela guardou em seu coração os fatos extraordinários relacionados com o nascimento de Jesus (Lc 2:15,19,51). Ela esteve com Jesus no casamento em Caná (Jo 2:1-12). Quando Jesus foi crucificado, ela estava presente, e então ele a confiou aos cuidados de João (Jo 19:25-27). Finalmente, ela é mencionada com os primeiros cristãos (At 1:14). A Bíblia cita a existência de outras 4 mulheres com esse nome: 1) Irmã de Marta e de Lázaro, de Betânia (Lc 10:38-42; Jo cap. 11; 12:1-8). 2) Madalena, talvez a mulher mencionada em Lucas 7:37-50, (Mc 16:9; Lc 8:2), foi testemunha da morte e do sepultamento de Jesus (Mt 27:56,61) e o viu ressuscitado (Mt 28:1-9). 3) Esposa de Clopas (Jo 19:25) e mãe de Tiago e José. Ela testemunhou a crucificação e o sepultamento de Jesus (Mt 27:56,61) e o viu ressuscitado (Mt 28:1-9). 4) Mãe de João Marcos e irmã de Barnabé (Cl 4:10). Ela cedeu sua casa para as reuniões dos cristãos em Jerusalém (At 12:12).
[4]Manjedoura: Cocho. Tabuleiro em que se coloca comida aos animais na estrebaria. Pode ser feita de madeira ou de pedra.
[5]Estalagem: Albergaria, pousada. Hospedaria. Conjunto de pequenas casas.
[6]Jesus: Significa “Javé é Salvador”. É a forma grega de Josué (Mt 1:21). Cristo quer dizer Ungido; é o mesmo que o termo hebraico Messias (At 17:3). Ele é o Anjo do Senhor que aparece no Antigo Testamento (Gn 18:1-23). Esvaziou-se da sua glória e se humilhou, tomando a forma de ser humano (Fp 2:6-11). O seu ministério terreno durou mais ou menos 3 anos e meio.
[7]Intertestamentário: Intervalo de 400 anos entre o Antigo e o Novo Testamento em que Deus não falou ao povo por meio de profetas.
[8]Malaquias: Foi contemporâneo de Esdras e Neemias, no período após o exílio do povo judeu na Babilônia em que os muros de Jerusalém tinham sido já reconstruídos em 445 aC. O Livro de Malaquias é um livro profético que faz descrições que mostram a necessidade de reformas antes da vinda do Messias. Por ser um livro curto e de acordo com a catalogação, Malaquias é o último dos profetas menores, tendo sido escrito por volta do ano 430 a.C., sendo que o seu nome não é citado em mais nenhum livro da Bíblia.
[9]João Batista: O profeta que preparou a vinda de Jesus. Era filho de Zacarias e Isabel (Lc 1:5-25,57-80). Iniciou e desenvolveu o seu ministério na região do rio Jordão (Lc 3:1-3). Pregou o batismo de arrependimento (Lc 3:4-14) e a vinda do Reino dos céus (Mt 3:1-12). João batizou Jesus (Mt 3:13-17) e testemunhou a respeito dele (Jo 1:15-34). Por ordem de Herodes Antipas, foi preso e morto (Mc 6:14-29). Jesus o elogiou (Mt 11:7-14). Seu batismo continuou sendo praticado por algum tempo (At 18:25).
[10]Efrata: Significa "Terra Frutífera". É um lugar citado na Bíblia; também pode ser o nome de uma tribo. Mencionada na Bíblia como o lugar em que Raquel morreu (Gn 35:16; 48:17). É considerado como o antigo nome da cidade de Belém e também significa "Casa do Pão".
[11]Messias: Significa “Ungido”; nome dado ao Salvador, o Senhor Jesus Cristo.
[12]Mago: Sacerdote dos medos e persas. Aquele que se presume saber como desenvolver e empregar conscientemente os poderes mágicos. Feiticeiro.
[13]Isabel: Significa "Meu Deus Jurou". Descendente da linhagem de Arão. Esposa do Sacerdote Zacarias. Prima de Maria (a mãe de Jesus) e mãe do profeta João Batista (Lc 1:39-56).
[14]Cristo: Do grego "khristós", significa "Ungido". Termo que se refere a Jesus. Em hebraico tem o mesmo significado que Messias (Ungir).
[15]Incenso: Resina aromática de certas árvores que, misturada com especiarias (Êx 30:34-38), era queimada nas cerimônias de adoração a Deus (Lv 16:13), de manhã e à tarde (Êx 30:1-10). O incenso era símbolo das orações que subiam para Deus (Sl 141:2; Ap 8:3-5).
[16]Mariolatria: Ato de adoração a Maria, a mãe de Jesus. Prática que faz parte da doutrina católica. A adoração a ídolos é condenada por Deus (Êx 20:3-5).
[17]Ana: A Bíblia menciona duas mulheres com esse nome: 1) Esposa de Eucana e mãe de Samuel; ela era estéril, pediu um filho e, quando Deus concedeu, ela o entregou para servir no templo (1º Sm 1:1-2:21). 2) Uma profetisa da tribo de Aser. Viúva de 84 anos, temente a Deus, dedicada aos trabalhos do templo. Viu o pequeno menino Jesus quando este foi apresentado no templo por seus pais.

Resumo baseado na revista Lições Bíblicas Adultos da CPAD - 2º Trimestre de 2015 (Jesus, o Homem Perfeito - O Evangelho de Lucas, o médico amado) | Lição 2 | Jonas M. Olímpio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, seja ele crítico, elogioso, complementar ou simplesmente direcionado à esclarecer alguma dúvida.
Todos serão respondidos desde que estejam de acordo com o regulamento abaixo:
Não serão publicados comentários que contenham palavrões, ofensas, anúncios não autorizados, e/ou usuários anônimos.
Muito obrigado pela sua participação!

Obs.: Apenas respondemos quando percebemos que a pessoa realmente quer uma resposta, pois quando notamos que ela apenas quer arrumar confusão, simplesmente ignoramos.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.