sábado, 6 de junho de 2015

O Amor Está Acabando, Como Despertar Interesse Novamente?

Pequenos detalhes costumam
gerar grandes problemas que
podem até mesmo destruir um
casamento; por isso, é preciso
que o casal esteja sempre atento
a tudo, desde o comportamento
até mesmo à palavras que
pareçam inofensivas, mas que
possam ferir o cônjuge.
    O tempo passa, algumas coisas mudam; a pessoa amada envelhece, parece mais chata, mais fria, mais distante, menos interessante... Enfim, as vezes a situação chega num ponto em que a princesa tem a sensação de ter casado com um sapo, e o príncipe passa a se sentir como se tivesse casado com uma bruxa. Exagero? Quantos casais já perderam, ou estão para perder, seu casamento porque um dos cônjuges diz que não sente mais nada pela pessoa a quem ele jurou amor eterno? Sabe qual é a maior causa desse problema? Muita gente pensa que está se casando com um objeto inanimado: algo que nunca vai mudar de forma; e se esquece do princípio mais básico da lei da “Natureza”: Nascer, crescer, envelhecer e morrer. O texto de Provérbios 31:30 retrata perfeitamente essa realidade: "Enganosa é a graça, e vaidade[1], a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada"; sim, eu sei que o contexto dessa mensagem se refere à mulher, no entanto, em sentido geral, seu conteúdo abrange ambos os sexos, pois muitos são os homens que também confiam na própria aparência e mulheres que os escolhem pela beleza ou porte físico e não pelos seus reais valores: esse é o caminho mais curto para a decepção. É claro que não podemos desconsiderar quem nem todos escolhem pela aparência e que mesmo assim também podem se sentir decepcionados e perder o interesse; então, sejamos imparciais ao tratar esse tão delicado assunto.
    Homens e mulheres de Deus não devem se dar ao luxo de desprezar seu cônjuge. Porém, se chegar a acontecer o desinteresse, seja por qual for o motivo, não pode haver conformismo e muito menos o abandono da pessoa. Muitos alegam não estar errados, pois não se separaram da pessoa, mas, não mantém uma vida conjugal normal: não há harmonia e nem vida sexual ativa; e, quando há, é apenas para cumprir uma obrigação, ou seja: seu casamento passou a ser apenas uma associação de aparência: estão separados dentro de casa; apenas não oficializaram o divórcio. Você pode ter milhões de motivos para explicar essa atitude, mas nenhum deles te servirá de justificativa diante de Deus (Mt 19:3-9). O primeiro passo para solucionar isso é buscar compreender os defeitos, dar mais atenção às qualidades do que às falhas, dizer o que pensa em vez de esconder o que sente, propor soluções no lugar de só expor as críticas, olhar para si mesmo pra ver se também não está errando e, principalmente, pedir a Deus orientação para ter palavras e atitudes sábias para resolver os problemas e não aumenta-los (Tg 3:13-17).
    Mas, e quando você é o rejeitado? O que fazer? Aí a dor é maior e a busca pela solução também. Porém, nem tudo está perdido. Primeiramente é preciso analisar a fonte do problema, pode ser que você precise mudar algo que está incomodando seu cônjuge; posteriormente, procure agradá-lo: fazer-lhe aquilo que gostaria que o mesmo fizesse por você. Caso a falha não esteja contigo e a postura dele esteja sendo injusta, convide-o para um sério diálogo e se abra, mas mantenha o autocontrole para não colocar tudo a perder de uma vez. Se a situação estiver tão séria que ele queira se separar, tente evitar, mas, se ele for embora, esteja consciente de que a culpa não foi sua (1ª Co 7:12-16). E tenha sempre em mente que Deus deve estar sempre na direção de tudo (Sl 127:1a).
    As decepções são até compreensíveis, entretanto, é de vital importância lembrar que seu cônjuge não é um produto que você comprou no “TV Shopping” e pode devolver caso esteja com defeito ou não satisfaça suas expectativas; não existe garantia, prazo de validade, nem nota fiscal, ou seja: sem direito de devolução (1ª Co 7:10,11). Porém, quando a qualidade é boa existe um selo - o caráter -, mas ele precisa ser observado antes da “compra”; depois não adianta reclamar que foi vítima de propaganda enganosa. Você tem orado em busca de sabedoria para manter seu casamento? Lembre-se: a rejeição ao marido ou a esposa é pecado sim (1ª Co 7:2-5[2] [3] [4])! E jamais se esqueça: a vida de um casal não se resume na cama!


[1]Vaidade: Ilusão. Qualidade do que é vão, instável ou de pouca duração. Desejo imoderado e infundado de merecer a admiração dos outros. Vanglória, ostentação. Presunção mal fundada de si, do próprio mérito; fatuidade, ostentação. Coisa vã, fútil, sem sentido. Futilidade. Jactância, presunção.
[2]Benevolência: Boa vontade para com alguém (Et 2:17; Pr 18:22).
[3]Defraudar: Tirar o direito de alguém.
[4]Incontinência: Lascívia. Falta de moderação no controle do apetite sexual (1ª Co 7:5).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, seja ele crítico, elogioso, complementar ou simplesmente direcionado à esclarecer alguma dúvida.
Todos serão respondidos desde que estejam de acordo com o regulamento abaixo:
Não serão publicados comentários que contenham palavrões, ofensas, anúncios não autorizados, e/ou usuários anônimos.
Muito obrigado pela sua participação!

Obs.: Apenas respondemos quando percebemos que a pessoa realmente quer uma resposta, pois quando notamos que ela apenas quer arrumar confusão, simplesmente ignoramos.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.