quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Desejo ou Curiosidade Por Atos Homossexuais: Como Lidar Com Isso?

O homossexualismo é uma prisão
maligna que não provém da mente e
nem do corpo, mas do espírito; por
isso tem que ser combatido
espiritualmente.
    Antes de começar, para não ser taxado de homofóbico, quero explicar o significado do termo homofobia. Para isso precisamos também entender o significado da palavra homossexual[1] que é uma junção de homo + sexual, sendo homo um prefixo de origem grega da palavra homos que significa “igual” ou “mesmo” e sexual é de origem do latim medieval sexualis e do latim clássico sexus significando “sexo”: sendo assim, por se tratar de um comportamento sexual, homossexual significa “aquele que gosta do mesmo sexo”. Com relação à homofobia, sabemos que fobia é um termo grego que expressa “medo” ou “aversão” - nojo, ódio - contra algo ou alguém. Dessa maneira, podemos definir que pessoas homofóbicas são aquelas que sentem medo, repugnância ou ódio dos homossexuais. Então, em relação aos cristãos - entenda-se como cristãos aqueles que realmente seguem o Evangelho -, se não tememos, repudiamos e nem odiamos os homossexuais, então, automaticamente, não somos homofóbicos; pois, na verdade, a única coisa que reprovamos é a atitude deles, ou seja: o pecado (Ap 2:20-23[2]). Entendendo que não somos contra as pessoas que sofrem desse mal, mas sim que queremos e devemos ajuda-las, façamos então uma análise sobre as consequências que ele tem causado principalmente entre os adolescentes e os jovens que se envolvem afetivamente com pessoas do mesmo sexo e qual é a postura divina em relação a isso.
    Com exceção da existência dos eunucos[3]- situação essa que nada tem haver com homossexualismo, mas com a assexualidade[4] -, e dos hermafroditos[5], biológica ou psicologicamente não há uma conclusão definida em relação ao desvio do comportamento sexual, pois mesmo os pesquisadores mais aprofundados no assunto divergem suas opiniões não conseguindo deixar claro se isso é uma doença física ou um distúrbio mental; socialmente, muitos tentam explica-lo como uma escolha pessoal, ou seja: uma simples questão de comportamento. Porém, tais argumentos são questionáveis, pois se não há provas de que haja nessas pessoas alguma diferença genética[6] ou cerebral, da mesma forma não há como comprovar que uma pessoa saudável física e mentalmente opte voluntariamente por algo tão sem sentido quanto desejar se relacionar sexualmente com alguém do mesmo sexo. Sendo assim, qual é então a explicação para isso? Deixando a razão humana de lado, sabemos que a resposta é de origem espiritual, pois trata-se de uma ação maligna que altera a mente de heterossexuais[7] a tal ponto de mudar seu comportamento e, em muitos casos, transformar até seu corpo. Mas qual é a intenção de Satanás em fazer isso? Como a Bíblia nos ensina, ele veio para matar, roubar e destruir (Jo 10:11), e o seu principal alvo é o ser humano porque este foi criado tendo também a missão de louvar a Deus (Sl 150:6; Jo 4:23,24) - missão que antes pertencia a ele (Ez 28:13[8]) - , exercer autoridade contra as forças das trevas (Lc 10:17-19) e, se for obediente, tendo o direito de ser salvo (Lc 10:20) - outro direito que Satanás já perdeu (Is 14:12-14; Ap 20:10[9] [10]) -; motivos suficientes para sentir muita inveja e querer que o ser humano perca também e, para isso, luta de várias formas (1ª Pe 5:8,9), sendo uma delas o homossexualismo por saber que essa prática desagrada muitíssimo a Deus (Lv 18:22; 20:13; Rm 1:26,27[11] [12]; 1ª Tm 1:9,10[13] [14] [15] [16]).
    É importante também lembrar que nem todos os homossexuais são assumidos, pervertidos, anticristãos ou pelo menos aparentam sua homossexualidade, pois muitos, por vergonha ou por medo, preferem manter-se ocultos e outros, por essas mesmas razões, até enfrentam e resistem a esses desejos não mantendo relações homoafetivas. Isso é normal principalmente entre adolescentes e jovens cujas famílias são rígidas e, certamente, reagiriam com repreensão e não com apoio à prática ou com ajuda para que possam deixa-la. Esconder o homossexualismo parece ser uma solução, mas isso nada mais é do que omitir um problema. O melhor mesmo é procurar conversar com os pais ou irmãos mais velhos ou, se achar que não vai encontrar compreensão e ser discriminado dentro do próprio lar, deve-se então procurar alguém de confiança - de preferência o pastor de sua igreja, o líder do grupo de jovens, um professor de Escola Dominical ou um irmão que demonstre ter a mente aberta e habilidade para lidar com isso - que tenha maturidade o suficiente para orientá-lo oferecendo-lhe ajuda tanto moral quanto espiritual. Ao mesmo tempo, deve-se estar preparado para iniciar uma verdadeira batalha espiritual em busca da libertação: orações constantes, consagração, jejum, votos, busca do conhecimento da Palavra, envolvimento na Obra e desvio das coisas ou pessoas que possam induzí-lo a essa prática (Sl 1:1,2; Pr 13:20; Sl 64:2-6[17]; 1ª Co 15:33,34). Qualquer esforço é válido na tentativa de fazer o que é certo e, obviamente, Deus não desprezará os “sacrifícios” de quem está lutando para ser fiel e fazer a vontade dEle.
    É necessário deixar claro também que, embora não deva tolerar o pecado, o papel da Igreja é acolher o pecador. Pastores ou líderes que detectem a existência de pessoas nessas condições têm a obrigação de trata-las com amor orientando-as sobre as razões pelas quais elas devem abandonar essa prática e ajudando-as a vencer esse mal. Não são duras repreensões e a exclusão ministerial que vão contribuir para a libertação, essa seria apenas uma forma de os obreiros que foram chamados para apascentar livrarem-se de sua responsabilidade sobre as almas que estão confiadas pelo próprio Deus aos seus cuidados (1ª Pe 5:2-4). É óbvio que esse acolhimento não significa dizer “fique como está” e permitir a essa pessoa liderar trabalhos ou participar ativamente de serviços que são destinados à pessoas que tenham plena comunhão com o Senhor zelando pela sua santidade; porém, ela deve ser mantida ali como um membro do Corpo de Cristo que apesar de estar ferido ainda faz parte dele e precisa ser cuidado (Fp 2:4; Hb 12:12,13). Quanto à família, principalmente aos pais, é preciso que saibam que por mais que seja amarga a decepção de ter um filho homossexual, reagir com raiva e demonstrar vergonha não vai resolver o problema. O que se deve fazer é lhe mostrar que mesmo não aprovando suas atitudes, o amor por ele continua igual e que, ainda que não aceitando sua prática, não o tratarão como um criminoso que deve ser punido, mas como alguém que, querendo ou não, precisa e vai receber ajuda para ter uma vida normal, a qual é exigida por Deus para que se alcance a salvação (Hb 12:14-16). A partir daí, é necessário haver compreensão, muita intercessão, incentivo pela busca de uma vida espiritual e acompanhamento dentro dos padrões cristãos, evitando assim, por exemplo, consultas a psicólogos não-crentes que geralmente aconselham a pessoa a fazer o que lhe parecer agradável para ser feliz desde que isso aparente não prejudicar a ninguém e nem a ela própria; tal filosofia demoníaca também é pregada em muitas religiões que se denominam como inclusivas, mas na verdade só estão mesmo é incluindo mais almas ao inferno.
    Geralmente é na adolescência que os desejos e curiosidades pelo sexo começam a se despertar no corpo humano, como também, quando é o caso, os interesses homossexuais. Ao perceber isso, o garoto ou a garota não deve se desesperar por ser diferente e muito menos se entregar a essas vontades, mas apenas tentar identificar se isso é mesmo um desejo ou somente uma simples curiosidade que logo passa. A princípio, é importante que procure pesquisar informações sobre o assunto, principalmente em fontes cristãs, mas evitando falar sobre isso com professores seculares e amigos não-crentes, para que não corra o risco de ser influenciado negativamente por eles. Depois disso, caso comprove que exista mesmo dentro de si essa atração por pessoas do mesmo sexo, cabe a ele a busca por ajuda para se orientar tanto moral quanto espiritualmente (Hb 12:6-8), tendo plena consciência de que na sua vida, tanto o seu corpo quanto a sua alma e o seu espírito devem ser administrados de uma forma que venha a agradar a Deus (1ª Ts 5:23,24), o qual o criou para formar um lar deixando uma descendência (Gn 1:27,28ª; Mt 19:4,5) e não simplesmente satisfazer seus desejos carnais (Rm 6:12-14). E é preciso considerar ainda que, apesar de poder se arrepender e alcançar a salvação, mesmo que abandone o homossexualismo, suas consequências poderão marca-lo por toda a vida como, por exemplo, doenças sexualmente transmissíveis, traumas psicológicos, incompreensão de pessoas que não acreditem em sua mudança e, no caso de haver sido feita alguma mudança física, uma difícil recuperação; então, é necessário pensar muito nos problemas gerados pela interferência na criação natural de Deus e jamais aceitar essa agressão a si próprio como algo normal, pois o preço a ser cobrado é muito alto (Rm 6:23).




[1]Homossexual: Referente à homossexualidade. É o relacionamento sexual entre indivíduos do mesmo sexo. Homossexuais normalmente se relacionam também com pessoas do sexo oposto, nesses casos, são chamados de bissexuais. Popularmente, homens que se relacionam entre si são chamados de "gays", e as mulheres são chamadas de "lésbicas."
[2]Jezabel: Filha do rei dos Sidónios Etbaal; seu casamento com Acabe foi o resultado de uma aliança que tinha como objectivo fortalecer as relações entre Israel e a Fenícia. A sua história é conhecida através do Primeiro Livro de Reis do Antigo Testamento. Continuou a adorar os deuses fenícios, mas não se limitou a isso, pois combateu o Deus de Israel. Recorreu ao dinheiro do tesouro público para sustentar os 450 profetas (ou sacerdotes) do deus Baal e os 400 profetas da deusa Achera (deusa fenícia da fertilidade). Elias derrotou todos os profetas de Baal, que morreram. Quando Jezabel soube disto ficou furiosa, pretendendo mandar matar Elias, que teve fugir para Judá. Um comandante chamado Jeú liderou uma revolta contra a família real, na qual matou o filho de Jezabel, Jorão. Quando Jezabel soube da revolta pintou os olhos e adornou a cabeça, desafiando Jeú da janela do palácio. Este ordenou aos eunucos da rainha que a atirassem da janela (defenestração): Jezabel morreu, tendo o seu sangue atingido as paredes e os cavalos. Uns cães que por ali passavam devoraram o corpo da rainha. Por causa desta rainha o nome "Jezabel" encontra-se associado como exemplo ou figura de prostituição e idolatria, assim como é citada em Apocalipse 2:20.
[3]Eunuco: Homem castrado que servia de guarda das mulheres do seu dono (Et 2:3). Eram também chamados de eunucos alguns altos funcionários de confiança dos reis, quer esses funcionários fossem castrados ou não (At 8:27). Tradicionalmente, no Oriente é um guardião de mulheres, principalmente nos haréns. Muitos já nascem com problemas congênitos - um mal desenvolvimento dos testículos - proporcionando baixa ou nenhuma potência sexual impossibilitando uma vida conjugal normal e a geração de filhos. Os que nascem nessa condição podem ser considerados transexuais, porém, isso nada tem a ver com homossexualismo ou opção sexual.
[4]Assexualidade: Estado de assexual; ausência de interesse sexual.
[5]Hermafrodito: Diz-se do ser (pessoa, animal ou planta) que reúne em si os caracteres e os órgãos, ou somente os órgãos, dos dois sexos (nasce com pênis e vagina); andrógino. Aquele que possui organismo bissexual. Não se trata de homossexualismo, pois não é uma opção sexual, e sim de uma anomalia de nascença. Na mitologia era um deus grego, filho de Afrodite e de Hermes. Este representa a fusão dos dois sexos e não tem gênero definido. Teria nascido um menino extremamente bonito, que se transformou posteriormente num ser andrógino por haver se unido à ninfa Salmacis. Foi a partir deste mito que se batizou os conceitos de hermafrodita e hermafroditismo.
[6]Genética: A ciência dos genes (cada uma das partículas cromossômicas).Ramo da Biologia que trata da hereditariedade. Ela se ocupa das diferenças entre os seres vivos, das suas causas e dos mecanismos e leis da transmissão dos caracteres individuais.
[7]Heterossexual: Pessoa que sente atração por pessoas do sexo oposto. Condição sexual normal para a qual o ser humano foi criado.
[8]Pífaro: Instrumento popular e pastoril, semelhante a uma flauta, mas sem chaves.
[9]Enxofre: Elemento amarelo inflamável com cheiro forte que existia em grande quantidade perto do mar Morto (Gn 19:24; Dt 29:23).
[10]Besta: Animal de quatro patas, de grande porte; animal de carga (Is 46:1). Biblicamente é linguagem figurada referente à uma criatura maligna que representa a força bruta, a imoralidade e a oposição a Deus (Is 30:6; Ap 13:1-18).
[11]Infame: Que tem má fama (Jó 30:8). Baixo; vergonhoso (Rm 1:26).
[12]Torpeza: Ato obsceno, vergonhoso (Rm 1:27).
[13]Obstinado: Que se obstina.  Firme, pertinaz, teimoso. Inflexível. Feito com insistência, com pertinácia.
[14]Parricida: Assassino do pai (1ª Tm 1:9).
[15]Matricida: Assassino da mãe (1ª Tm 1:9).
[16]Perjuro: O que jura falso. Mentiroso (1ª Tm 1:10).
[17]Inquirir: Indagar, perguntar. Questionar; mudar de ideia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, seja ele crítico, elogioso, complementar ou simplesmente direcionado à esclarecer alguma dúvida.
Todos serão respondidos desde que estejam de acordo com o regulamento abaixo:
Não serão publicados comentários que contenham palavrões, ofensas, anúncios não autorizados, e/ou usuários anônimos.
Muito obrigado pela sua participação!

Obs.: Apenas respondemos quando percebemos que a pessoa realmente quer uma resposta, pois quando notamos que ela apenas quer arrumar confusão, simplesmente ignoramos.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.