terça-feira, 18 de outubro de 2016

“Epilepsia é Doença Maligna”

A má interpretação bíblica gera,
além de problemas doutrinários,
preconceito e discriminação
contra pessoas enquadradas na
situação em questão. Ataques
epiléticos - como qualquer outra
doença - não são obrigatoriamente
causados por ações demoníacas!
Existe uma notável diferença
entre convulsão e possessão
diabólica.
Mateus 17:15 - “Senhor, tem compaixão de meu filho, porque é epiléptico e sofre muito; pois muitas vezes cai no fogo, e muitas vezes na água.”
    Esse texto contido em Mateus 17:14-21, Marcos 9:14-29 e Lucas 9:37-42, narrando a libertação de um rapaz que sofria convulsões provocadas por possessão demoníaca, tem sido alvo de muita polêmica causada por pessoas que o interpretam generalizadamente afirmando que pessoas que têm ataques epiléticos estão endemoniadas. Antes de prosseguir, entendamos o que é epilepsia: trata-se de uma doença crônica do sistema nervoso central, manifestada por convulsões, ou pela debilitação ou perda da consciência. O adjetivo “epiléptico” que no grego significa “ataque” consta apenas em algumas traduções modernas; os escritos originais usam o termo “lunático”, o qual, embora não se saiba com exatidão qual era sua definição nos tempos passados, expressa a ideia de algum tipo de distúrbio mental.
    No entanto, qual é o versículo, frase, palavra ou expressão nesse texto que nos leve a entender que convulsões - ou a própria epilepsia - sejam única e exclusivamente gerados por ações demoníacas? A Bíblia também menciona que se tratava de um espírito mudo e surdo (Mc 9:17,25), assim, pela lógica dos que generalizam, todas as pessoas mudas e surdas estão possuídas por demônios? É Claro que não devemos negar que Satanás age sim por meio de doenças e é causador de muitas delas (Jó 2:4-6); porém, isso não significa que absolutamente todos os males sejam de origem diabólica, pois muitos problemas são provocados por razões diversas provenientes da própria fragilidade do corpo humano (2º Rs 13:14a; Gl 4:13,14; 1ª Tm 5:23, 2ª Tm 4:20b), ou estariam esses e outros servos de Deus endemoniados? Esse é o caso da epilepsia: algumas pessoas que sofrem disso podem sim ser vítimas de ações malignas, enquanto que muitas outras as sofrem apenas por questões de saúde. É claro que em ambos os casos se deve orar por libertação; lembrando que libertação não se refere apenas a livrar de demônios (Lc 6:18; At 5:16), mas de qualquer mal que possa nos atingir (Tg 5:13-15).

4 comentários:

  1. Enfim a epilepsia é uma doença natural mais que pode ocasionar se em uma associação espiritual. É isso? ou seja pode vim acompanhada de uma influência maligna é? Mais porém é necessário passar por um tratamento com profissionais da saúde mais também ter sempre em mente o alcilio de Deus não é verrado?

    ResponderExcluir
  2. Meu filhor tem 3 anos ele tem essa enfermidade de pelepsia é coisa do demonio???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A paz do Senhor, irmã Patrícia! Em relação a qualquer doença, não seria prudente julgar, sem conhecer, se é demônio ou não. Mas de uma coisa podemos ter certeza, seja qual for a origem dela, o Senhor pode libertar. Além de tratamento médico, a senhora tem cuidado espiritualmente dele? Faça um propósito de oração que nós cremos na resposta de Deus.

      Excluir
  3. Olá me chamo Yara.tenho um filho de 20 anos hoje que teve essa enfermidade aos 7 anos,não dei remédio prá ele,fiz um voto com Deus se meu filho fosse curado eu o serviria,hoje faço missão.
    Tem curá sim pra Deus nada é impossível🙏🙌

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, seja ele crítico, elogioso, complementar ou simplesmente direcionado à esclarecer alguma dúvida.
Todos serão respondidos desde que estejam de acordo com o regulamento abaixo:
Não serão publicados comentários que contenham palavrões, ofensas, anúncios não autorizados, e/ou usuários anônimos.
Muito obrigado pela sua participação!

Obs.: Apenas respondemos quando percebemos que a pessoa realmente quer uma resposta, pois quando notamos que ela apenas quer arrumar confusão, simplesmente ignoramos.