segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

A Travessia do Mar Vermelho

Estudo Bíblico Baseado na Escola Bíblica Dominical da CPAD | 1º Trimestre de 2014 - Uma Jornada de Fé - Lição 5 | Jonas M. Olímpio

Apesar da contestação de alguns
historiadores, há várias evidências
arqueológicas que confirmam a
travessia do Mar Vermelho;
porém, Deus não precisa provar
nada a ninguém, pois o fato de
alguém crer ou não crer, não
muda em nada a realidade e nem
diminui o seu poder
TEXTO ÁUREO
Êx 15:2 - "O Senhor é a minha força, e o meu cântico; ele me foi por salvação; este é o meu Deus [...]"

VERDADE PRÁTICA
    Deus tirou o seu povo do Egito e o conduziu com zelo, proteção e provisão pelo deserto até a Terra Prometida.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Êxodo 14:15,19-26
15 - Então disse o Senhor a Moisés: Por que clamas a mim? Dize aos filhos de Israel que marchem.
19 - E o anjo de Deus, que ia diante do exército de Israel, se retirou, e ia atrás deles; também a coluna de nuvem se retirou de diante deles, e se pôs atrás deles.
20 - E ia entre o campo dos egípcios e o campo de Israel; e a nuvem era trevas para aqueles, e para estes clareava a noite; de maneira que em toda a noite não se aproximou um do outro.
21 - Então Moisés estendeu a sua mão sobre o mar, e o Senhor fez retirar o mar por um forte vento oriental toda aquela noite; e o mar tornou-se em seco, e as águas foram partidas.
22 - E os filhos de Israel entraram pelo meio do mar em seco; e as águas foram-lhes como muro à sua direita e à sua esquerda.
23 - E os egípcios os seguiram, e entraram atrás deles todos os cavalos de Faraó, os seus carros e os seus cavaleiros, até ao meio do mar.
24 - E aconteceu que, na vigília daquela manhã, o Senhor, na coluna do fogo e da nuvem, viu o campo dos egípcios; e alvoroçou o campo dos egípcios.
25 - E tirou-lhes as rodas dos seus carros, e dificultosamente os governavam. Então disseram os egípcios: Fujamos da face de Israel, porque o Senhor por eles peleja contra os egípcios.
26 - E disse o Senhor a Moisés: Estende a tua mão sobre o mar, para que as águas tornem sobre os egípcios, sobre os seus carros e sobre os seus cavaleiros.

COMENTÁRIO RESUMIDO
A TRAVESSIA DO MAR VERMELHO
Introdução
    Após a celebração da primeira páscoa, todos os primogênitos egípcios foram mortos fazendo com que o faraó exigisse uma rápida saída dos israelitas de sua terra. Porém, logo após sua saída, o rei mais uma vez mudou de ideia e resolveu persegui-los, e então Deus deu uma ordem a Moisés: “Diga aos filhos de Israel que marchem!”; mas somente havia água a sua frente, e agora, marchar para onde? Somente a confiança em Deus explica um ato de obediência numa situação tão difícil como essa.
    Assim como fez à Israel, o Senhor, ao longo da nossa vida, tem demonstrado de várias formas o seu poder através de livramentos e provisões; mas, mesmo com tudo isso, quando Ele nos diz para “marchar” em um lugar que parece não ter saída, será que somos capazes de obedecê-lo?
Êx 14:15,19-26

I - A TRAVESSIA DO MAR
1. A saída do Egito
    Uma multidão com mais de um milhão de pessoas - incluindo mulheres e crianças - iniciaram uma grande caminhada rumo ao deserto levando seus pertences e também o que despojaram dos egípcios. Eles estavam tão preparados que já haviam organizado tudo e até comemorado com antecedência essa grande viajem. Talvez alguém até tenha questionado o fato de estarem indo pelo caminho mais longo, mas isso já fazia parte do plano de Deus para que eles não passassem pela terra dos filisteus, evitando assim um confronto do qual eles fugiriam ou sairiam derrotados, porque eram escravos e não guerreiros e não estavam preparados para isso.
    Nunca devemos questionar a forma ou a distância de um caminho que Deus nos faz percorrer para alcançar uma vitória - seja material ou espiritual - , pois devemos entender que se estamos em obediência à sua vontade, Ele está nos conduzindo em segurança, livrando-nos das armadilhas que o inimigo tem colocado à nossa frente. Em vez de reclamar, devemos nos lembrar de tudo o que Ele já nos fez e continuar em frente confiando que o seu amor e a sua misericórdia continuam válidos em nossa vida.
Is 55:8,9
2. A perseguição de Faraó
    Quando tudo parecia bem, apareceu o faraó com o seu exército. Vendo-se encurralados, se puseram a clamar ao Senhor, o qual, mesmo diante das murmurações, teve misericórdia e lhes abriu o mar para que pudessem escapar.
    As perseguições do inimigo sobre nós são inevitáveis. Mas, por várias vezes nos sentimos tão expostos ao perigo que chegamos a questionar se o Senhor está realmente agindo em nossa vida. Porém, Ele nos vê por dentro e sabe o tamanho da nossa dor, como também conhece as nossas limitações, compreendendo até mesmo que em alguns momentos as nossas murmurações não são diretamente contra Ele, mas sim lamentações provocadas pelas difíceis situações que nos levam a questionar se somos dignos de que Ele ainda esteja conosco. Porém, devemos sempre nos lembrar de que, apesar das circunstâncias, não estamos desamparados.
2ª Co 4:9
3. A ruína de Faraó e seu exército
    O Mar Vermelho foi aberto para a passagem dos israelitas. O faraó tentou se aproveitar da ocasião e achou que também poderia usufruir dessa bênção; porém, ela era um escape para o povo de Deus e, para os seus inimigos significava simplesmente julgamento e condenação. Sua ingenuidade em pensar que depois de ter feito o grande milagre de abrir o mar, Jeová permitiria que ele continuasse perseguindo seu povo, fez com que ele perecesse sob as águas.
    O que está preparado para os servos fiéis é apenas para eles. Se o inimigo tentar se aproveitar da situação, para ele, a bênção se torna em maldição e só serve para o seu castigo. O que está preparado para os filhos de Deus pertence somente a eles, e o inimigo não pode tomar.
At 8:18-23

II - O CÂNTICO DE MOISÉS
1. Moisés celebra a Deus pela vitória
    Chegando do outro lado, depois que o mar se fechou, vendo que todos estavam a salvo e que os corpos dos inimigos estavam caídos na praia, Moisés, juntamente com os israelitas, cantaram um louvor de agradecimento ao Senhor.
    Em tudo o que faz por nós, Deus espera tão somente agradecimento e adoração ao seu nome. Não possuímos valores que possam pagar por sua graça, portanto, o único bem que podemos oferecer a Ele são as nossas demonstrações de gratidão.
1ª Ts 5:18
2. Miriã juntamente com as mulheres louva a Deus
    Vivenciando um tão grande livramento, Miriã, tomada por uma grande alegria, acompanhada por outras mulheres, também entoaram um cântico de exaltação ao Senhor como forma de agradecimento.
    Um louvor sincero com uma alegria que venha realmente de dentro do coração, para Deus, tem muito mais valor do que todos os bens materiais que pudéssemos ofertar.
Sl 69:30,31
3. Celebrando a Deus
    Nas atitudes de Moisés e Miriã podemos observar que, como bons líderes, eles tiveram a preocupação de levar o povo a adorar e agradecer a Deus com algo que todos tinham e podiam oferecer: o louvor.
    Louvar não é o simples ato de cantar, mas sim manifestar a alegria do coração por meio de palavras que expressem gratidão e reconhecimento de sua dependência diante do poder divino. Por isso, devemos ter cuidado com o que proferimos através da música, pois ela, além de ser uma forma de externar nossos sentimentos, é também uma maneira de se propagar a mensagem do Evangelho contida nas Escrituras. E o que cantamos deve também refletir em nossas atitudes.
Cl 3:16,17

III - A PROTEÇÃO E O CUIDADO DE DEUS COM SEU POVO
1. Uma coluna de nuvem guiava o povo de Deus
    Naquela difícil caminhada, o Senhor lhes orientava e protegia durante o dia com uma coluna de nuvem e, durante a noite, com uma coluna de fogo. Essa ação sobrenatural, além de ser uma providência, representava a própria presença de Deus no meio deles.
    O Senhor não somente cuida de nós, como também se mantém presente em nossa vida através do seu Espírito. Sua presença em nossa vida é confirmada por meio dos êxitos que obtemos, os quais confirmam que estamos sendo guiados por Ele; porém, essa divina orientação é condicional e depende de o buscarmos por meio da oração e da obediência, pedindo-lhe que nos livre também das tentações do pecado.
Sl 139:24
2. Deus cuida do seu povo
    Antes, durante e depois da travessia do mar, Deus cuidou do seu povo dando-lhe livramento e provisão. Mas, mesmo se alegrando com as vitórias, em qualquer dificuldade, os israelitas se revoltavam e começavam a murmurar, atitude essa que muito desagradava e despertava a ira de Jeová.
    A murmuração é algo tão grave que, em 1ª Coríntios 10:1-11, o apóstolo Paulo cita essa atitude dos hebreus e a sua consequência como exemplo para que não venhamos a agir da mesma maneira. Pois essa é uma forma de tentar a Cristo do mesmo jeito que eles tentaram a Deus. Em outras palavras, essa é uma forma de testar a paciência do Senhor, o qual já tem tido muita misericórdia diante de tantas falhas que o homem comete. Por mais difícil que seja a situação, a Bíblia nos ensina a manter a humildade, porque a exaltação virá no seu devido tempo.
1ª Pe 5:6,7
  


Conclusão
    A travessia do Mar Vermelho, indiscutivelmente, é um dos maiores milagres registrados nas Escrituras Sagradas. Ela foi o grande marco na mudança de fase da história dos hebreus sendo a diferença entre o Israel escravo e o Israel livre.
    Essa experiência significou não somente o livramento dos israelitas no Egito, mas representa também nossa libertação da escravidão do pecado no momento em que reconhecemos o sacrifício de Cristo, o qual nos faz passar da condenação para a salvação, ensinando-nos a confiar em seu poder, sua misericórdia e seu amor mesmo nas ocasiões mais difíceis.
Hb 2:3
Edição e comentário: Jonas M. Olímpio

DICIONÁRIO
Admoestar: Advertir amigável ou benevolamente; fazer ver. Censurar ou repreender suavemente, aconselhando a não repetir a falta. Recomendar.
Celebrar: Festejar; comemorar; realizar com solenidade (Sl 98:4; Mt 22:2; 26:18).
Despojar: Privar do que adornava ou revestia; despir, desnudar. Privar-se; deixar, largar, desprender. Tirar algo.
Filisteu: Povo que habitava a planície da costa do mar Mediterrâneo em Canaã, desde Jope até o Sul de Gaza. Tinham cinco grandes cidades: Asdode, Gaza, Ascalom, Gate e Ecrom (Js 13:3). Os israelitas viviam sempre em luta contra eles.
Hebreu: Esse era um dos nomes dados ao povo de Israel. Esse nome vem da raiz ‘a-vár’, que significa “passar, transitar, atravessar, cruzar”. Esse nome denota viadantes, ou viajantes, aqueles que ‘passam adiante’. Isto porque os israelitas por um tempo realmente levaram uma vida nômade.
Mar Vermelho: Um golfo (braço de mar) de mais de 2000 km que vai desde o oceano Índico até o golfo de Suez (Êx 23:31).
Miriã: Irmã mais velha do profeta Moisés e de Arão. Quando o faraó deu a ordem de que matassem todos os recém-nascidos hebreus, sua mãe Joquebede (Números 26:59), colocou seu irmão Moisés numa cesta e o colocou no Rio Nilo; então, sendo ele encontrado pela filha do faraó, ela indicou sua própria mãe para que fosse babá dele (Êx 2:7). Mais tarde, sofreu temporariamente de lepra alegadamente por sua rebeldia perante a autoridade de Moisés (Nm cap. 12). Miriã era também profetiza e tocava tamboril (Êx 15:20);ela morreu e foi sepultada em Cades (Nm 20:1).

AUXÍLIO COMPLEMENTAR
Mapa e ilustrações arqueológicas

O mar Vermelho tem um comprimento de aproximadamente 1900 km, por uma
largura máxima de 300 km e uma profundidade máxima de 2500 metros na fossa central, 

com uma profundidade média de 500 m, sua água tem um percentual de salinidade de 
aproximadamente 4% (ou 40‰). O mar Vermelho é famoso pela exuberância de sua vida 
submarina, sejam as inúmeras variedades de peixes ou os magníficos corais. A superfície do 
mar Vermelho é de aproximadamente 450 000 km², com uma população de mais de 1000 
espécies de invertebrados, de 200 espécies de corais e de ao menos 300 espécies de tubarões.

Arqueólogos encontraram, no fundo do Mar Vermelho, vários objetos que
confirmam os relatos bíblicos sobre as pragas do Egito e a travessia dos israelitas

Estudo Bíblico Baseado na Escola Bíblica Dominical da CPAD | 1º Trimestre de 2014 - Uma Jornada de Fé - Lição 5 | Jonas M. Olímpio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, seja ele crítico, elogioso, complementar ou simplesmente direcionado à esclarecer alguma dúvida.
Todos serão respondidos desde que estejam de acordo com o regulamento abaixo:
Não serão publicados comentários que contenham palavrões, ofensas, anúncios não autorizados, e/ou usuários anônimos.
Muito obrigado pela sua participação!

Obs.: Apenas respondemos quando percebemos que a pessoa realmente quer uma resposta, pois quando notamos que ela apenas quer arrumar confusão, simplesmente ignoramos.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.